Home | Apresentação | Centro de Treinamento | Hotel | Cursos | Serviços | Vídeos | Parceiros | Artigos | Contato

BREVE HISTÓRIA SOBRE O ROTWEILLER

A XI Legião Romana realizou uma bem sucedida invasão ao sul da Alemanha por volta de 74 D.C. Nesta incursão, como era normal em tempos desprovidos dos modernos meios de conservação dos alimentos, conduziam cães que faziam o importante trabalho de pastoreio de gado, guarda de acampamentos e de prisioneiros.

Atravessar os Alpes com rebanhos era uma tarefa excepcional e, certamente por isso, os Rottweilers foram escolhidos para a missão.

Eles surgiram em uma cidade conhecida pelos romanos como Arae Flaviae, importante centro administrativo e social fundado séculos antes de Cristo. Com a ocupação a cidade transformou-se e prosperou ainda mais. O tempo passou e a cidade ascendeu a condição de vila fortificada. Seus prédios mais importantes foram cobertos por telhas artesanais vermelhas e, por essa razão, passou a ser denominada Rotwill (Vila Vermelha) e mais tarde tornou-se Rottweil, como hoje é conhecida.

Entre 250 e 260 D.C. os romanos foram expulsos dali por tribos locais que destruíram as edificações existentes. Deixados para trás, permaneceram alguns cães que, treinados para defender suas casas até a morte, devem ter sucumbido. Os sobreviventes foram envolvidos em atividades de criação de gado e apoio a outros serviços.

Rottweil tornou-se uma próspera área de mercado e centro cultural atraindo boiadeiros, fazendeiros e comerciantes de consideráveis distâncias para ali realizarem negócios. Esses homens logo notaram a excelência dos cães de açougueiros e começaram a comprá-los. Até então, a raça era conhecida como Mtzgerhund. Eram necessários não apenas para trazer o gado, mas para assegurar o retorno do dinheiro arrecadado já que nenhum local era mais seguro que a coleira deles; ninguém se atrevia a mexer no pescoço dos valentes cães de guarda.

Tudo isso trouxe um crescente respeito pelos cães de açougueiro e os criadores locais começaram a cruzá-los seletivamente. O nome Rottweiler foi-lhes atribuído para distingui-los dos outros, pois eram considerados superiores aos demais de seu tipo encontrados na região.

Nessa época o Rottweiler era útil para tracionar charretes e conduzir tambores de leite e assim continuou até 1800, quando a ferrovia assumiu o transporte de gado e os cães foram substituídos pelos burros.

Em 1882 surge o primeiro registro de um Rottweiler sendo apresentado em uma exposição de cinofilia, em Hibronn. Com a perda de utilidade a popularidade do Rottweiler decresceu ao ponto de, no início do século, quase ser extinto. A renovação do interesse aconteceu ao norte da Alemanha, ao invés do sul, de onde tinha surgido. Esse ganho de popularidade veio de virtudes como o trabalho de polícia.

O Clube Alemão do Rottweiler (ADRK) foi fundado em Heidelberg, em 13 de janeiro de 1907 levando muitos a considerarem esta localidade como a de surgimento do moderno Rottweiler. O ADRK tornou-se vinculado à Associação Alemã de Cães Policiais, que incluiu a raça na relação das apropriadas para a realização do trabalho de cão policial.

Em 1921 foi criado o Clube Geral de Rottweiler (Allegemeiner Deustcher Rottweiler Klub – ADRK) que tinha como lema “Criação de Rottweiler e criação de cães de trabalho”. A raça foi reconhecida pela Kennel Club Grã – Bretanha em 1936.

Características Gerais

Temperamento – considerando que os Rottweilers são cães de guarda por extinto, poderão demonstrar um comportamento agressivo com estranhos e invasores, o que justifica um treinamento focado em obediência e um manejo firme. Entretanto podem se tornar afetuosos, calmos e equilibrados cães de companhia.

Características psicológicas – equilíbrio, bravura, prontidão. Expressão calma.

Uso – guarda, defesa, policia, seguir pistas.

Traços valorizados – o aspecto robusto e possante, sem excessos e muito harmonioso.

Poucos cuidados – os cuidados gerais do Rottweiler são simples, embora recomende-se uma escovação diária para a manutenção das condições ideais da pelagem.

Pelagem – de comprimento médio, pelagem externa áspera, subpelagem fina. A cor é o preto com marcações am castanho intenso e bem definidas. As cores da subpelagem são o preto cinzento e o castanho – claro, que não são visíveis.

Cabeça – de tamanho médio, crânio largo, canal nasal retilíneo, testa levemente arqueada, maxilares poderosos, trufa nasal bem desenvolvida e sempre preta. A pele que recobre a cabeça pode formar rugas.

Corpo – de constituição robusta e retangular, sendo o comprimento no máximo 15% maior que a altura na cernelha.

Olhos – amendoados, marrom-escuros, de tamanho médio.

Patas – compactas, com as anteriores arredondadas e as posteriores mais longas. Almofadas plantares fortes, unhas curtas e pretas e dígitos bem arqueados, preferencialmente com marcações em grafite. Dígitos rudimentares podem ser removidos.

Orelhas – de tamanho médio, triangulares, de inserção alta e pendentes.

Cauda – de inserção alta, portada horizontalmente, podendo ser integra ou amputada.

A prova de roubo – os talentos desta raça como cão de guarda há muito foram reconhecidos. Na Idade Média, ricos mercadores evitavam com muita esperteza o roubo ao amarrarem seus sacos de dinheiro em volta do pescoço de Rottweilers.

Filhote, Adulto e Terceira Idade

Os cuidados essenciais

Filhote - é recomendável que os donos introduzam seus filhotes às aulas de obediência básica desde muito cedo. Por possuírem um alto nível de dominância e territorialidade não é nada aconselhável que se espere que o Rottweiler chegue ao seu tamanho adulto para só então treiná-lo. A socialização deve ser feita até os 8 meses de idade. Se educados desde filhotes você pode evitar surpresas desagradáveis como objetos destruídos e o jardim todo cavado.

O Rottweiler tem o sistema gástrico intestinal muito sensível, por isso, passeios não são recomendados antes que o animal tome todas as vacinas. Esta é uma das únicas raças que necessita de quatro doses de vacinas.

Fique atento com o que o filhote morde, pois ele pode ingerir corpos estranhos que muitas vezes só são retirados através de intervenção cirúrgica.

Nesta fase, dê preferência às rações super – premium e incentive os exercícios moderados para formação da musculatura e resistência.

Adulto – quando adulto, o cuidado maior é com a manutenção da vacina e vermifugação, nunca se esquecendo da prevenção e cuidados necessários para com os carrapatos, pulgas e sarnas.

A alimentação deve ser baseada em ração de qualidade e visitas semestrais ao veterinário são indicadas. Isso porque a raça tem predisposição a desenvolver displasia coxofemoral, uma alteração na bacia que provoca dor e deixa o animal manco. Os exercícios devem ser feitos de maneira adequada. Quando adulta esta raça pode ter dificuldades na integração em uma nova casa e com outros animais. Nesta fase é comum que cães do mesmo sexo se estranhem, muitas vezes brigando. Eles amadurecem emocionalmente por volta dos três anos de idade, mas alguns, aos quatro, ainda são perfeitos bebês, brincalhões e dispersivos.

Terceira Idade – fique atento se seu cão tem mais de sete anos. A partir desta idade os cuidados com a saúde devem redobrar: procure levá-lo para exames periódicos para prevenir possíveis problemas que são comuns nos cães idosos. Não esqueça das vacinas, pois elas protegem seu amigo de viroses e doenças que podem prejudicar a saúde do animal.

Outra dica importante é oferecer refeições saudáveis e balanceadas para os bichinhos com mais idade. Os Rottweilers idosos devem estar em paz com a balança, já que o excesso de peso prejudica a sua coluna.

Besta fase o cão que mantém uma rotina de exercícios tem muito mais disposição e saúde. Uma boa opção para qualquer idade é a natação que oferece menos impacto para os bichinhos.

A partir dos 7 anos também é recomendável que o macho faça exame da próstata.

Importante: nunca se esqueça que ao ler qualquer revista, livro ou artigo especializado em alguma raça, no caso aqui, o Rottweiler, as informações divulgadas vêm carregadas de uma super estima que os amantes da raça têm por ela. Ao mesmo tempo vale ressaltar que para muitos não passa de um mero mercado. Portanto nunca deixe crianças pequenas ou maiores sozinhas com cães desse porte, mesmo eles sendo altamente treinados pelo melhor profissional existente na face da Terra.

São super cães, com dominância elevada que se instigados ou pressionados, mesmo que para nós pareça uma brincadeira (o que na linguagem corporal dos cães é muito diferente da nossa brincadeira) podem de um momento para outro modificar seu comportamento.

Fonte Bibliográfica: “Os Cães”

Autor: David Taylor

Editora: Melhoramentos